O Sol Nascente na Terra do Medo

A escultura “O Sol Nascente na Terra do Medo”, é parte de uma série de obras que Kia Henda tem explorado desde 2015, inspiradas nos gradeamentos dos edifícios e casas em Angola. A “dissimetria” social alterou profundamente a fisionomia da cidade, lares que se tornaram em autênticos cárceres privados e autoinfligidos. A peça feita em ferro e placas – de acrílico – opalinas vermelhas, é uma interpretação dos gradeamentos em semicírculo instalados nas varandas dos edifícios modernistas em Luanda, com intuito de prevenir a entrada de intrusos e meliantes, a fim de garantir a segurança dos espaços e corpos supostamente privilegiados. Os dois semicírculos, pretendem recriar um sol dividido em duas partes iguais. Nesta escultura existe a tentativa de romantizar e fantasiar uma realidade urbana em muitas partes do planeta, através de elementos extremamente repulsivos. A luz de um sol que resplandece igual para todos, num mundo onde o fenómeno da globalização e o capitalismo selvagem, tornando cada mais evidente que não somos todos iguais debaixo do sol.

Ficha técnica

O Sol Nascente na Terra do Medo, 2020

Autoria: Kiluanji Kia Henda
600 x 250 x 10 cm
Ferro e Acrílico
Mata do Fontelo / 40.6587310, -7.8993310

Kiluanji Kia Henda

Nasceu em 1979 (Angola), onde vive e trabalha. O interesse de Kia Henda pelas artes visuais surge por ter crescido num meio de entusiastas da fotografia. A ligação com a música e o teatro de vanguarda, fizeram parte da sua formação conceptual, tal como a colaboração com colectivos de artistas em Luanda.
Em 2012, Kia Henda ganhou o Prémio Nacional da Cultura e Artes (Ministério da Cultura de Angola). Em 2014 integrou a lista 100 Leading Global Thinkers (revista Foreign Politics). Em 2017, venceu o Frieze Artist Award.

Localização

Mata do Fontelo
Viseu, Portugal
40.6586220, -7.8992770